Morreu na madrugada de hoje, no horário local, o ex-presidente e ex-premiê israelense Shimon Peres, o último dos pioneiros do Estado. Arquiteto do programa nuclear israelense, ganhador do Nobel da Paz em 1995, ao lado de Yitzhak Rabin e Yasser Arafat, Peres virou o “eterno perdedor” – dizia-se que nem eleição para síndico ele ganhava. Mas em 2007, ao ser escolhido – após a desistência dos concorrentes – para a presidência do país (cargo decorativo no parlamentarismo israelense), parecia deixar para trás essa imagem. Nunca deixou de ser lenda, entretanto. Em 2015, entre boatos de que estava morto, Peres brincou, em um post no Facebook: “Ainda não

“Quero agradecer os cidadãos de Israel pelo apoio, preocupação e interesse e gostaria de esclarecer que os boatos são falsos”.

Viciado em trabalho, concluiu a presidência em 2014, aos incríveis 91 anos, mas não parou de fazer o que mais gostava. Ao deixar o cargo, continuou a ser o homem com a agenda mais movimentada entre os líderes e políticos israelenses. Brincalhão, usou a oportunidade (e a idade) para fazer um vídeo bem humorado em que buscava trabalho e lembrava algumas das icônicas frases de sua carreira política, como “a paz é a única solução”. Apesar de sonhar com a paz e de acreditar e trabalhar por ela, não viu muito avanço na relação com os vizinhos.

Conheci Peres pessoalmente em 2010, quando o presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, foi recebido em Jerusalém por ele. Nuzman começava a vender os Jogos Olímpicos do Rio mundo afora e despertava a atenção de empresários israelenses. Eu era o único jornalista acompanhando o encontro deles na residência oficial da Presidência e Peres se deixou fotografar e se mostrou bem humorado – falou ainda, informalmente, sobre a idade e o papel de estadista.

Deixo aqui alguns dos melhores textos que li hoje sobre Peres.

Update: três mais (incluindo vídeos).

“Meu sonho não era ser presidente. Meu sonho era ser um pastor ou um poeta das estrelas”Shimon Peres (1923-2016), ao assumir o cargo, em julho de 2007 (leia outras frases)

Foto de capa: Rabin, Peres e Arafat (Reuven Castro/Jerusalem Post)

Anúncios