Jornal da TardeLi recentemente o excelente livro “Jornal da Tarde: Uma ousadia que reinventou a imprensa brasileira”, do colega Ferdinando Casagrande, sobre a trajetória do JT. Leitura gostosa, fluída, dinâmica. Fala de paixão, de mergulho no ofício, de combate à censura, de criatividade e ousadia para driblar as dificuldades e contar boas histórias.

Como leitor e, anos mais tarde, trabalhando na redação vizinha, a do portal do Estadão, o jornal sempre me chamou a atenção. A história do JT, que “criou o jornalismo de serviço como conhecemos hoje e foi pioneiro ao abrir espaço para a publicação de cartas e comentários de leitores”, é em grande parte a história da nossa imprensa: feita com paixão, com suor e com inovação – mas com um triste fim.

Eu estava lá ao lado de dezenas de outros colegas que ficaram de pé para aplaudir durante longos minutos a equipe dos 42 que fecharam a última edição do JT. Lembro com carinho e nostalgia daquele momento (e me emocionei de verdade ao ler o relato feito por Casagrande). Aliás, se alguém tiver esse vídeo e puder compartilhar, publicarei aqui.jt[1]

Mal sabia que eu e outros tantos jornalistas da equipe do Estadão.com.br seríamos demitidos no passaralho seguinte, menos de dois meses depois do fim do JT. É triste e grave a crise pela qual passa nossa imprensa.

Mas já tivemos momentos de ouro e de paixão. O livro conta vários desses momentos e precisa ser lido por quem, como eu, ama essa profissão.

Tive a sorte de conhecer pessoalmente alguns dos colegas que aparecem no livro, e de ter ouvido deles inúmeras histórias daqueles tempos de JT e daqueles tempos de jornalismo.

Anúncios