O Pedro Doria, que eu leio há anos, tinha no seu blog, antes de assumir a função de editor-chefe de Conteúdos Digitais do O Estado de S. Paulo, Uma moça às segundas.

Eram fotos de moçoilas em poucas roupas ou roupa nenhuma, mas de bom gosto. Saudade das moças de segunda do Doria.

Eis que fui rever alguns daqueles posts e encontrei “Minha moça esta segunda“, uma declaração de amor que ele faz à Marina, sua mulher.

Que bonito.

É ela quem sabe as coisas. Não só onde estão, onde deixei, o que fiz. Marina dá ritmo à casa: sua hora de acordar, de sair, de retornar. Marina dita meus humores, entre seus silêncios profundos, longos e aí os sorrisos. Todas minhas inabilidades práticas, Marina as corrige.

Marina não sabe que tenho medo de perdê-la todos os dias.

Anúncios