Moshe Katzav durante a coletiva (foto: Haaretz)O assunto do momento em Israel é o processo que o presidente Moshe Katzav enfrenta por uma série de crimes, entre eles o de estupro, o que faz muito barulho e provoca bastante indignação.

Há em Israel uma lei severa que prevê punições duras para quem comete crimes sexuais, agravadas quando envolvem relações de autoridade ou de poder, como no caso dele – a mulher que alega ter sido estuprada por Katzav, conhecida como A., foi sua funcionária.

O presidente, cujo cargo é deorativo porque Israel é parlamentarista e o chefe de governo é o premiê, chegou a sair das manchetes por um tempo. Nesta semana, contudo, a Procuradoria o considerou culpado, trazendo o tema novamente para as capas de jornais.

Em resposta, ele convocou uma coletiva de imprensa para romper o longo silêncio que vinha mantendo até agora. Ele queria responder às acusações. Nas palavras de Katzav, “só ele sabe a verdade e todos estão errados”.

A coletiva foi um festival de quase uma hora de porradas no palanque, caras feias e expressões agressivas e contundentes contra a polícia, contra a Procuradoria e contra a imprensa.

Cercado de jornalistas israelenses e estrangeiros, que esperaram quase uma hora para o começo da coletiva, e com o discurso sendo transmitido ao vivo para as casas em todo o país, Katzav arrancou de um comentarista do Canal 2 uma reação nervosa e desmedida – gritos de revolta contra as acusações.

Eu estava lá. Por um acaso, tinha acabado de trocar minha câmera para o modo “vídeo”, e consegui gravar um pequeno trecho da briga. Depois do comentário do jornalista, Katzav perde a paciência e grita:

Agora eu estou falando. Agora é minha vez de falar. Se você não gosta, vai embora daqui. Você disse ‘chega’ por seis meses, agora eu falo.

O assunto virou piada, como tudo que ocorre na política em Israel. O vídeo abaixo, em hebraico, mostra as acusações à imprensa e gozações sobre a briga com o jornalista do Canal 2. Não foi assim – um desfile de palavrões – mas a agressividade de Katzav não era bem diferente…

O título do vídeo-caricatura é “Israel Nidfeket” – ou “Israel se Ferra”.

O resultado foi uma chuva de críticas contra o presidente no cenário político. A população pede a renúncia imediata de Katzav – o que não aconteceu e não deve acontecer, já que ele está afastado temporariamente do cargo por três meses (até quando termina o mandato).

Falei a respeito na RFI hoje.

Anúncios